Jesus Histórico em Perguntas e Respostas *

Por Jefferson


O que significa a expressão “Jesus histórico”?

Jesus histórico, que tem a imagem construída com base nos estudos feitos da Palestina do século I. É totalmente hipotético. Personagem construído na visão de como uma pessoa daquela época, influenciada dessa ou daquela forma, vivendo nesse ou naquele cenário, viveria. Não se confunde com o indivíduo Jesus de Nazaré, que se vivesse hoje, teria identidade e CPF, que somente sabemos que foi batizado por João Batista, pregou na Galiléia e foi crucificado em Jerusalém. Também não se confunde com o Cristo, o Jesus da fé, a segunda pessoa da Trindade cristã.

Jesus histórico é o Jesus historicamente possível de se estudar.

Jesus existiu?

Sim, os evangelhos e as cartas paulinas atestam a existência de Jesus de Nazaré e não podem ser desprezados como documentos baseados em fatos reais, ainda que exista uma forte carga teológica neles. Além disso, fontes pagãs posteriores, como Flávio Josefo, Tácito e Plínio, o Moço, atestam a sua existência e do início do movimento cristão.

Quando Jesus nasceu?

Uma coisa é certa: ele não nasceu no dia 25 de dezembro. E a razão é simples. Esta data coincide com o solstício de inverno do Hemisfério Norte, quando uma série de festas pagãs, muito anteriores ao nascimento de Cristo, já aconteciam em homenagem a divindades ligadas ao Sol e a outros astros. Ao que tudo indica, o dia foi adotado pelos católicos primitivos na esperança de cristianizar uma festa pagã.

Além disso, Jesus nasceu antes de Cristo 6 ou 4 anos. A contagem cristã baseou-se nos cálculos do monge Dionísio, o Pequeno, que calculou o nascimento com base na duração dos reinados da Antiguidade, errando por 6 anos.

Jesus nasceu em Belém ou Nazaré?

Ignora-se por que seus pais, Maria e José, que moravam em Nazaré, estariam em Belém no momento do parto. A explicação tradicional, encontrada no evangelho de Lucas, de que teriam retornado à cidade natal de José para um censo, esbarra na falta de registros de alguma grande convocação desse tipo nesses anos. Os romanos, que dominavam a região, faziam censos em seu império para recolher tributos – e a lógica sugere que eles registravam seus contribuintes nos locais em que trabalhavam e residiam.

Mateus opta pela residência de José e Maria em Belém e, após o seu retorno do Egito, foram morar em Nazaré a fim de não serem perseguidos pelos descendentes de Herodes, o Grande.

Ao que tudo indica, Lucas e Mateus teriam escolhido Belém como cidade natal de Jesus para que suas versões da vida de Cristo se alinhassem a uma profecia do Antigo Testamento, segundo a qual o Messias nasceria na Cidade do Rei Judeu, ou seja, a Cidade de Davi, que é Belém.

Nazaré era um vilarejo de trabalhadores rurais numa encosta de serra com, no máximo 1000 habitantes (outros estudiosos acreditam que não havia mais de 400 pessoas por lá). Segundo os arqueólogos, essa é a cidade onde Jesus nasceu. Nazaré é tão obscura que, fora dos evangelhos, não existe menção a ela na literatura da época, o que fez com que muitos autores questionassem a sua existência.

A gravidez extraordinária de Maria é um fato ou um mito?

O que se quer mostrar, evidentemente, é que o nascimento de Jesus ocorre a partir de uma intervenção direta de Deus. É uma idéia que aparece com freqüência no pensamento antigo. Não só heróis mitológicos, mas também grandes personagens históricos têm seu nascimento associado a uma divindade. Os faraós do Egito eram considerados filhos de Amon-Ra, o deus Sol. E a mãe de Alexandre, o Grande (356 a.C.-323 a.C.), estava convencida e convenceu o filho de que ele era descendente de Zeus, o deus supremo da mitologia grega.

Por que os evangelhos quase não falam do pai de Jesus?

Os evangelhos também falam pouco da Maria, mãe de Jesus. Ela aparece quando destaca algo que Jesus protagoniza. O mesmo acontece com José. No início da vida pública de Jesus, José não aparece por não ser importante ou por já estar falecido naquela época.

Quem e quantos foram os Reis Magos?

Se realmente existiram, os Reis Magos não eram reis e provavelmente não seguiram estrela nenhuma. O único registro dessas figuras nos evangelhos canônicos, ou oficiais, está em Mateus, que fala dos magos do Oriente e de uma estrela seguida por eles. Mas a menção não diz quantos eram os visitantes nem se eram, de fato, reis. “Como esses magos trouxeram três presentes, supõe-se que eram três reis”. Convencionou-se chamar os visitantes de Melchior, rei da Pérsia, Gaspar, rei da Índia, e Baltazar, rei da Arábia. Também ficou estabelecido que eles teriam trazido incenso, ouro e mirra como presentes ao recém-nascido.

O que era a estrela de Belém?

Não se sabe ao certo, e existe uma forte desconfiança de que essa história veio como uma contestação ao título dado aos imperadores romanos de filhos de deus. Para os cristãos, havia somente um filho de Deus e este era Jesus Cristo. No início do reinado de Otávio, uma estrela brilhante foi vista nos céus de Roma. Segundo Suetônio, seria um cometa ou uma estrela cadente. Otávio, de forma inteligente, afirmou se tratar de Júlio César, seu tio assassinado no senado romano, que estava sendo conduzido aos céus para se juntar aos deuses. Dessa forma, Otávio Augusto estaria de forma legitima no poder, por ser herdeiro político de um deus. Utilizando dessa imagem, mandou cunhar moedas onde havia uma estrela e a inscrição Gaius Iulius Caesar Octavianus Augustus Divi filius (“Gaio Julio César Otávio Augusto, filho de deus).

Para os que acreditam que a história é verdadeira, existem hipóteses, mas nenhuma que possa se sobrepor as outras. Ela pode ter sido um cometa, uma supernova ou o alinhamento celeste de planetas, ou até mesmo um óvni. Como não se sabe ao certo o ano, mês e dia que Jesus nasceu, tudo fica no terreno das especulações.

Qual o idioma que Jesus falava?

O aramaico era a língua corrente na Palestina do século I e era a única que podemos afirmar, com certeza, que Jesus falava. O hebraico, língua morta na época de Jesus, usada apenas nos escritos sagrados do Judaísmo, e o grego, utilizado eventualmente no comércio daquela região, podem ter sido de seu conhecimento, mas é muito pouco provável que os dominava, uma vez que não existia uma preocupação de formação intelectual de crianças e jovens daquele tempo como existe hoje.

Jesus teve irmãos?

Para garantir o sustento, as famílias precisavam ter um número razoável de filhos que ajudassem no duro trabalho no campo. “É pouco provável que Jesus tenha sido filho único”, diz o historiador Gabriele Cornelli. “Assim como um menino de roça que vive em comunidades pobres no interior, ele deve ter crescido cercado de irmãos.” Mesmo pesquisadores católicos como o padre John P. Meier, autor dos quatro volumes da série Um Judeu Marginal, sobre o Jesus histórico, dizem que é praticamente insustentável o argumento de que, no Novo Testamento, “irmão” poderia significar “primo”. “A palavra grega adelphos, usada para designar irmão, deve ter sido usada no sentido literal”, diz Meier.

Os irmãos existiram e eram seis – quatro homens e duas mulheres –, identificados no Evangelho de Mateus (Mt 13, 55-56). No evangelho apócrifo de José fala-se que o pai de Jesus era viúvo quando se casou com Maria e que teria filhos do primeiro casamento. O rechaço da igreja à possibilidade da existência de irmãos de Jesus se explica. Se a teoria fosse verdadeira, iria contra um dos dogmas marianos segundo o qual a mãe de Jesus teria dado à luz virgem e assim permanecido até a assunção de seu corpo aos céus.

Jesus estudou?

Para Wagner Figueiredo, colunista do site Mistérios Antigos e autor de “Trilogia dos Guardiões – O Êxodo”, Jesus teve formação intelectual mais rica do que se supõe a partir dos evangelhos. “Era comum, na Antiguidade, que os mais ricos custeassem os estudos dos prodígios apresentados ao conselho do templo”, diz. “Podemos chamá-lo de um caipira antenado, que tinha sensibilidade suficiente tanto para dialogar com o povo quanto com a elite intelectual de sua época”, resume Paulo Augusto Nogueira, professor de teologia da Universidade Metodista de São Paulo, em São Bernardo do Campo.

O pesquisador John Dominic Crossan acredita que Jesus, como 95% dos seus conterrâneos do século I era analfabeto. “Somente uma ínfima parcela da população que trabalhava para os governantes sabia ler e escrever”, diz Richard Horsley. “Não acredito que ele fizesse parte dessa parcela.” Então, como explicar o trecho do evangelho que o retrata lendo numa sinagoga? “A palavra ler no evangelho pode significar recitar”, diz Horsley. “O fato de Jesus não saber ler nem escrever não significa que ele não conhecesse os textos e as tradições judaicas.”

Qual profissão seguiu?

Nos evangelhos, José é apresentado como “tekton”, uma espécie de artesão que faria as vezes de um mestre de obras. Ele teria, portanto, as habilidades de um carpinteiro, mas não apenas. Jesus e José seriam uma espécie de faz-tudo. Faziam a fundação de uma casa, erguiam paredes como pedreiros e construíam portas como carpinteiros. É sabido também que tinham ovelhas e uma pequena plantação. Portanto, teriam algumas noções de pastoreio e agricultura.

Como era Jesus fisicamente?

A imagem de Cristo que se consagrou foi a de um tipo bem europeu: alto, branco, de olhos azuis, cabelos longos ondulados e barba. Mas são grandes as chances de que essa representação esteja errada. “É praticamente certo que ele não foi um homem alto, a julgar pelos objetos, como camas e portas, deixados por seus contemporâneos”, revela a socióloga e biblista Ana Flora Anderson.

A julgar pelos registros históricos que contam um pouco da vida na região em que Jesus nasceu e foi criado, o Messias deve ter sido um homem baixo, de pele morena e cabelos escuros e encaracolados (vide a reconstituição feita pelo médico especialista em reconstrução facial inglês Richard Neave, da Universidade de Manchester). Por ser um trabalhador braçal, tinha uma estrutura física bem desenvolvida.

Jesus foi tentado pelo demônio no deserto?

Que Jesus foi tentado no deserto, não há dúvida. O episódio é relatado por três evangelistas, Mateus, Marcos e Lucas, e citado pelo quarto, João. Líderes religiosos como Buda e Maomé também passaram por experiências de jejum, oração e tentação. O que se questiona é a natureza do demônio que se apresenta a ele. Seria ele o demônio feito homem ou apenas uma síntese simbólica das tentações às quais todos os seres humanos estão sujeitos? Para o padre Vicente André de Oliveira, mariólogo da Academia Marial de Tietê, no interior de São Paulo, a tentação do demônio é simbólica. “O deserto e o demônio são maneiras de ilustrar o encontro de Jesus com suas limitações como homem”, diz Oliveira.

Na Gênesis, de Allan Kardec, temos «Jesus não foi arrebatado. Ele apenas quis fazer que os homens compreendessem que a Humanidade se acha sujeita a falir e que deve estar sempre em guarda contra as más inspirações a que, pela sua natureza fraca, é

impelida a ceder. A tentação de Jesus é, pois, uma figura e fora preciso ser cego para tomá-la ao pé da letra. (Cap. XV Item 53.)

Jesus era um judeu milagreiro?

Judeus taumaturgos eram figuras muito comuns no tempo de Jesus: homens que circulavam pela Galiléia fazendo milagres como uma espécie de mágico. “Jesus pedia segredo dos milagres que fazia, não cobrava por eles e evitou fazer curas diante de quem tinha meios de recompensá-lo”, explica Rodrigo Pereira da Silva, professor de teologia do Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp-EC). Segundo ele, os taumaturgos jamais agiriam dessa maneira. “Eles eram profissionais da cura. Jesus, não.” Outra diferença importante entre Jesus e os taumaturgos era que o Messias apresentava Deus de maneira acessível aos fiéis. Diferentemente dos taumaturgos, que valorizavam uma espécie de canal exclusivo que teriam com o divino para operar seus milagres, Jesus tentava ensinar as pessoas a cultivar o contato com Deus. E, assim, receber suas graças sem intermediários.

Jesus manteve um relacionamento amoroso com Maria Madalena?

Segundo o evangelho apócrifo de Filipe, Jesus e Maria Madalena teriam uma relação amorosa. Nele estaria escrito que Jesus beijava Maria Madalena na boca – afirmação contestada por uma corrente de tradutores. Ela, por sua vez, o compreendia melhor do que qualquer discípulo, o que gerava ciúmes entre os apóstolos. Mas trata-se de obra tardia escrita em uma época de conflitos entre a disputa de poder entre os que somente aceitavam a liderança masculina na igreja daqueles grupos que defendiam a liberdade de culto, principalmente pelos carismáticos. Não existe nenhuma indicação de valor que possa embasar um relacionamento amoroso ou carnal entre Jesus e Maria de Magdala.

A própria Maria Madalena, aliás, já foi erroneamente confundida com a “pecadora”, mencionada por Lucas, que teria lavado, enxugado com os cabelos, beijado e perfumado os pés de Jesus na casa de um fariseu. Não há evidência de que sejam a mesma pessoa. O que se diz de Maria Madalena em diversas passagens é que dela Jesus expulsou “sete demônios”, que estava presente entre as mulheres que acompanharam Jesus ao monte Calvário, onde foi executado, e que Jesus lhe apareceu e falou depois da ressurreição.

O que Jesus pregava?

Jesus anunciava uma nova ordem social, o Reino de Deus. Nessa nova ordem, os valores morais estariam acima das questões sociais e econômicas. Um reino de amor e justiça, onde os bons serão recompensados e os maus punidos.

A sua pregação é feita por analogias, por linguagem figurada conhecida como parábola, e por máximas morais, como as bem-aventuranças do chamado sermão do monte.

Fez muito sucesso por alcançar pessoas exploradas, abatidas, endividadas e muitas vezes doentes. Não poupava críticas àqueles que exploravam os irmãos de raça em nome do lucro, muitas vezes utilizando a religião como pretexto.

Quanto tempo durou a vida pública de Jesus?

Baseado no Evangelho de João, que faz menção a três Páscoas celebradas por Jesus e seus discípulos, os estudiosos entendem que a sua vida pública durou três anos. Outros autores acreditam que durou algo entre um ano, um ano e meio. Não mais do que isso.

Por que Jesus foi condenado?

Segundo o que se conclui dos evangelhos, Jesus provocou a elite judaica da Palestina, o que gerou temor da classe dirigente de Jerusalém, que tinham muito a perder em termos de poder e fortuna com uma revolução popular.

Jesus provocou ao entrar como o mashiak (messias, ungido) judeu anunciado pelos profetas e, principalmente, ao atacar o sistema de exploração econômica instalado no templo de Jerusalém.

Os romanos executariam Jesus sem pestanejar, como fizeram com centenas de outros rebeldes da Palestina. Ao entregarem Jesus para Pôncio Pilatos, o destino de Jesus estava selado.

Com que idade Jesus morreu?

O ano certo, portanto, dificilmente será conhecido, mas sabe-se, com uma margem mínima de dúvida, que foi entre os anos 29 d.C. e 37 d.C., época em que Pilatos foi prefeito da Judéia. Assumindo que Jesus nasceu entre 6 d.C. e 4 d.C., ele teria morrido com a idade mínima de 33 e máxima de 43 anos.

Como era a crucificação?

No mundo greco-romano, não havia desonra maior do que a morte sem sepultura. Um corpo exposto ao tempo, aos olhares de estranhos, às feras e às aves era um insulto público, e significava também a destruição da identidade – um fim sem epitáfio e portanto sem posteridade, uma preocupação suprema da Antiguidade. Por isso, para acrescentar injúria à tortura, os romanos crucificavam os escravos desobedientes e os presos políticos. Mesmo após o condenado expirar, os soldados continuavam a montar guarda: baixar um morto da cruz era um privilégio que exigia súplica, influência ou propina, ou todas as três coisas. Não é de estranhar que, dentre os milhares de pessoas que se calcula terem sido crucificadas nos arredores de Jerusalém durante o domínio romano, um único esqueleto tenha sido encontrado – o de um judeu de seus 20 anos de idade chamado Yehohanan, filho de Hagkol, como consta da inscrição em seu ossuário.

A análise da ossada de Yehohanan, localizada em 1968, revela que suas mãos não foram pregadas à cruz: provavelmente, seus braços foram amarrados à trave, enquanto seus pés foram dispostos lateralmente à viga e atravessados por trás, na altura do calcanhar, por um pino de ferro. Como o pino entortou, não foi possível despregar o pé direito de Yehohanan, e sua família teve de enterrá-lo com um pedaço da cruz preso ao osso. Na suposição de o jovem judeu preservado no ossuário servir de modelo para a morte de Jesus Cristo – e ele é o único de que se dispõe –, ele levanta duas questões relevantes. A primeira é que é, sim, possível que Jesus tenha ganho uma sepultura, apesar de não ser esse o costume. A outra é que, se as mãos e os pés de Jesus não foram perfurados por cravos, as chagas com que ele é descrito nos Evangelhos e habitualmente representado não correspondem aos seus ferimentos reais. Essas são meras suposições, claro, e é quase certo que nunca será possível prová-las ou desprová-las.

Jesus ressuscitou?

Esta é uma questão de fé, e não de História, pois esta não tem como provar se Jesus ressuscitou de carne e osso, se ressuscitou com um corpo celeste, na terminologia do apóstolo Paulo de Tarso, se apareceu aos seus seguidores com um ser “sobrenatural” ou se foi tirado da cruz e abandonado pelos romanos numa cova rasa tapada com cal e areia, como afirma um dos maiores especialistas do tema John Dominic Crossan. Por ser um artigo de fé, está fora análise acadêmica.

Fazendo uma análise dos escritos mais antigos do Novo Testamento, parece que existe uma crença de Jesus aparecido, em Paulo; um Jesus desaparecido no túmulo, em Marcos; um Jesus ressuscitado diferente de quando vivo, em Mateus e Lucas, e um Jesus que come peixes no Evangelho de João, o mais tardio.

O fato é que a crença na ressurreição foi a grande mensagem do Cristianismo Primitivo que, 3 séculos após o nascimento de Pregador da Galiléia, conquistou o Império dos Césares.

Quem escreveu os evangelhos? E quando?

Não sabemos. Antes do 2º século essas narrativas não ostentavam os nomes de seus autores. A autoria de cada livro foi dada por tradição e de forma tardia. Da mesma forma, existe uma quase unanimidade entre os pesquisadores de que os evangelhos não começaram a serem escritos antes do ano 70, após a destruição de Jerusalém pelos romanos. Os evangelhos surgiram como uma necessidade de preservar a memória da primeira geração de cristãos e de apaziguar diversas crises que essas primeiras comunidades cristãs estavam vivenciando. Provavelmente cada evangelho teve uma redação primitiva que foi sofrendo alterações até a sua redação final.

Os textos seguem o gênero literário conhecido por midrash. Basicamente, o midrash é um forma de contar a história da vida de alguém usando como pano de fundo a biografia de outras personalidades históricas. Mateus e Lucas colocam Jesus em Belém, por exemplo, para associá-lo ao rei Davi do Antigo Testamento – que, segundo a tradição, teria nascido lá.

 

Fontes:

– A busca pelo Jesus da História, artigo de Isabela Boscov, Ed. Abril, Revista Veja, Edição 1884, 15/dez/04.

– Esse Homem Chamado Jesus, artigo de José Tadeu Arantes, Ed. Abril, Revista Superinteressante, Edição 4, jan/88.

– A Face Humana de Jesus, artigo de João Loes, Ed. Três, Revista Isto É, Edição 2094, 23/dez/09.

– As Faces de Jesus, artigo de Isabela Boscov, Ed. Abril,Revista Veja, Edição 1783, 25/dez/02.

– Jesus da História, artigo de José Pompeu de Toledo, Ed. Abril, Revista Veja, Edição 1257 . 23/12/92.

– Quem foi Jesus?, artigo de Rodrigo Cavalcante, Ed. Abril, Revista Superinteressante, Edição 183, dez/2002.

– A Verdadeira História do Natal, artigo de Thiago Minami e Alexandre Versignassi, Editora Abril, Revista Superinteressante, Edição 233, dez/2006.

[1] Os textos foram, em sua maior parte, retirados das revistas citadas nas fontes desse artigo, sendo alguns textuais. Não existe a preocupação com os rigores acadêmicos, tratando-se de simples “copia e cola” de diversas reportagens sobre Jesus Histórico, amplamente divulgadas pela imprensa pátria. Em alguns casos, enriquecemos a resposta com o conhecimento adquirido em nossos estudos, procurando evitar abordagens com viés teológico por parte de determinados autores. Os textos, não obstante não pertencerem aos ciclos acadêmicos, estão em concordância com o que pesquisadores renomados, como J. Dominic Crossan, J. P. Meier, Barth Ehrman, Geza Vermes e outros, tem tratado o tema.

 

* publicado originalmente em 02/04/2012 em httpblogcristianismoespiritismo.blogspot.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: